29 de janeiro de 2014

Poda estrutural do Ligustrum

Não tenho tido muito tempo para actualizar o blog, mas no workshop com o Márcio ainda trabalhei mais algumas árvores e tenciono mostrar aqui a evolução dos projectos.

Podem ver aqui o primeiro post sobre este ligustrum, que ficou em crescimento livre durante cerca de meio ano até esta primeira intervenção. Isto permitiu-lhe adaptar-se ao novo lar e engrossar a ramificação secundária, de modo a poder começar a construir agora o resto da ramificação.

A poda foi bastante mais radical do que eu inicialmente previa, mas penso que se descobriu aqui a estrutura de uma pequena árvore com um carácter bastante interessante.

Foi posta a hipótese de transplantar esta árvore agora no início da Primavera, mas acabámos por decidir que é melhor deixar a árvore desenvolver com toda a força este ano e transplantar apenas em 2015. Prevê-se muito clip-and-grow, mas é um projecto que me deixa entusiasmado!

Ficam as fotos, que mais uma vez não fazem justiça à árvore. 

Provável frente


Um abraço,
Gonçalo

20 de janeiro de 2014

Pinus Mugo

Comprei este pequeno Pinus Mugo num viveiro aqui de Viseu por 6€, mas decidi guardá-lo durante durante cerca de 2 meses para lhe permitir adaptar-se ao novo lar, ao mesmo tempo que olhava para ele sem saber bem que caminho seguir.

Felizmente surgiu a oportunidade de o levar para um workshop com o Márcio Meruje e não podia ter ficado mais satisfeito com o resultado final! Apesar de ter custado tão pouco, parece ter sido um bom investimento e revelou-se uma árvore com algum potencial.

Como preparação para o workshop, foi feita uma limpeza das agulhas (obrigado Joana!) e foi feita uma selecção inicial dos ramos que podiam ter interesse. Se por um lado eu queria que a árvore tivesse as opções todas em aberto quando fosse trabalhada, por outro queria usar este pinheiro como teste para ver se a minha capacidade de análise estava a melhorar e então fui cortando o que no meu entender estava claramente a mais e deixei o que poderia ficar no desenho final.

Pinus Mugo conforme veio para casa
Depois da limpeza das agulhas e selecção de alguns ramos
Resultado final ainda sem certeza quanto à inclinação
Com a estrutura quase totalmente definida, agora é só ramificar e, em 2015, já deve passar para o seu primeiro vaso de bonsai. 

Devo dizer que sozinho não conseguiria descobrir o que este pinheiro tem para mostrar, mas para isso é que servem os workshops com alguém mais experiente e com outra visão do futuro da árvore. Obrigado pela ajuda, Márcio!

Um abraço,
Gonçalo

-------------------------------------------------------------------

Queria também deixar o meu agradecimento a todos os que gostaram da página no facebook, em especial à Anita do blog Mais Feminices e à Carol Mello pela divulgação incansável do meu blog! Já somos mais de 1000! :)


17 de janeiro de 2014

Oliveira #2

Depois de quase um ano de crescimento livre, estava na altura de começar a definir melhor a estrutura dos ramos. (Primeiro post desta árvore)

Esta oliveira é do tipo de material que deixa muito a desejar, mas serve perfeitamente para ir treinando as técnicas de bonsai. No final, decidi deixar um dos ramos (do lado direito) em crescimento livre, porque precisa de engrossar bastante e, se começar a cortar, a velocidade com que isso acontece diminui consideravelmente.



Ainda bem que fiz este post, porque tenho apenas usado clip-and-grow para a evolução desta árvore e já vi que precisa de uns arames para dar mais movimento à estrutura dos ramos, caso contrário vou ficar aqui com uma árvore sem interesse nenhum. 

Um abraço,
Gonçalo

16 de janeiro de 2014

Buxus #2 e #3

Como tinha dito na altura em que fiz o transplante (post antigo), estava muito descontente quanto à forma que tinham estas árvores, mas decidi dar-lhes tempo para recuperar dos transplantes antes de voltar a podar.

Como as duas árvores apresentavam bastante vigor, decidi que estava na altura para seleccionar os ramos principais e começar a contruir a ramificação secundária aos poucos.

Este tipo de material é bom apenas para ir treinando as técnicas de bonsai, porque em termos de qualidade e potencial deixam bastante a desejar.

Um aviso para quem trabalhar este tipo de buxus: os ramos não têm elasticidade nenhuma e rasgam-se em vez de partir! Quando parece que está a correr bem, no momento seguinte temos o ramo inteiro na mão...

Buxus #2

Esta árvore foi estilizada pela Joana Cruz, mas eu fui sempre dando a minha opinião durante o processo, pelo que posso considerar que colaborei !

O resultado final não parece muito estético, mas penso que a selecção de ramos foi bem feita e agora é dar tempo à árvore para ramificar e ir reconstruíndo. Talvez devesse ter sido uma poda ainda mais radical.






Buxus #3

Esta árvore tem uma grande vantagem em relação à anterior, que é o nebari mais definido. De resto, o processo foi semelhante para as duas árvores e o resultado não foi muito diferente também.



A raíz mais alta será para sair no próximo transplante
Esta é a frente para já, mas vamos ver como evolui
Infelizmente, o ramo mais à esquerda na última foto (com o arame), acabou por secar. O arame foi posto para tentar segurar o ramo pelas fibras que resistiram, com pasta cicatrizante a servir de super-cola, mas nada feito!

Ficou a experiência e agora é esperar que rebente alguma coisa daquele lado em breve.

Um abraço,
Gonçalo

15 de janeiro de 2014

Vasos de Bonsai

Já há bastante tempo que acompanho diversos artistas que se dedicam a produzir vasos para bonsai e plantas de acompanhamento (kusamono). Os vasos de autor podem não ser tão acessíveis como os vasos chineses, produzidos em massa, que são vendidos por aí ao pontapé, mas são vasos de desenho único, com texturas e qualidade impressionantes. Quando bem aplicados, elevam as nossas árvores a um nível completamente diferente.

Aproveito para deixar links de dois dos artistas que sigo, porque são sempre fonte de inspiração, mesmo para quem não pratica bonsai, mas apenas tem interesse por arte e fotografia.

PAS Pottery
Gramming Pots

Aqui ficam as fotos dos dois vasos que tenho da PAS Pottery, sendo o primeiro um vaso de kusamono, e o segundo pode ser usado para um bonsai bastante pequeno. Peço desculpa pela péssima iluminação, mas assim que tenha fotos melhores, que deixem perceber as cores e texturas dos vasos, eu faço um update !







Estes vasos ainda estão vazios, mas mal posso esperar para os ver com os seus novos habitantes !

Um abraço,
Gonçalo